Sábado, 25 de Maio de 2019


Quarta-feira, 15 de Maio de 2019, 18h:31 - A | A

CHANTAGEM POLÍTICA

IFMT/Tangará leva menores para protesto, faz terrorismo ideológico e amedronta alunos com fechamento do instituto

Criticar o governo do presidente Jair Bolsonaro é um direito de quem respira e até de quem apenas conspira

EDÉSIO ADORNO
Da Editoria de Política

A Bronca Popular/Arquivo

image

No Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), da reitoria aos 19 Campus espalhados pelo estado, educadores de esquerda seguem à risca a orientação sociológica de Karl Marx, de seu adepto e quase contemporâneo Antonio Gramsci.    

O esforço dos educadores de esquerda para inculcar na cabeça de servidores e estudantes as premissas do marxismo cultural é aberto, despudorado e agressivo.    

No IFMT/Tangará da Serra, segundo denúncias que chegam a redação do site, a direção do instituto estaria arregimentando estudantes nas salas de aula para participar de manifestações contra o propalado corte de verbas para a educação. “Eles entram e falam que se a gente não participar, o IF fecha no mês de agosto”, diz uma aluna, sob a condição de não ter seu nome revelado.    

Uma servidora, cuja identidade também omitimos, confirma a denúncia. De acordo com ela, o clima é de terrorismo contra Bolsonaro. “O que o pessoal da direção fala é que por causa do corte no dinheiro, os terceirizados vão ser mandado embora e projetos serão suspensos”, afirma    

A direção do instituto dispara mensagens de texto, via Whatsapp, para alunos. O conteúdo das mensagens contem agressivas críticas ao presidente Jair Bolsonaro e objetiva a fazer chamamento para manifestações, como a que foi realizada nesta quarta-feira, em Tangará da Serra e em diversas outras cidades de Mato Grosso.    

Professores, servidores, estudantes e até trabalhadores terceirizados que não se afinam com a orientação esquerdista, segundo a fonte, passam por constrangimento. Até menores de idade são convencidos a engrossar as manifestações política idealizadas pelos movimentos representativos dos professores.     

O pai de um adolescente entrou em contato com o site para afirmar que não sabia que seu filho participaria de manifestação política no centro da cidade. “Vi pelo Facebook e fiquei preocupado. Acho que isso não é educação. A escola deveria pedir autorização dos pais para levar uma criança para eventos dessa natureza”, declarou  

Manifestação político-ideológico de esquerda  

Os estabelecimentos de ensino, sejam públicos ou privados, devem primar pela verdade histórica.   Criticar o governo do presidente Jair Bolsonaro é um direito de quem respira e até de quem apenas conspira.  

Os educadores de esquerda do IFMT, Unemat e UFMT, não se manifestaram de forma violenta, em 2015, quando governo federal cortou R$ 10,5 bilhões do orçamento para a Educação.   Para quem já se esqueceu, 2015 foi o ano em que Dilma definiu o slogan “Pátria Educadora”. O Fies, na ocasião, cortou 1,7 bilhão em relação a 2014.  

Em março de 2016, um novo corte retirou R$ 21,2 bilhões entre Ministério da Educação e do Planejamento.   Cortes, na ocasião, não ganharam a proporção dos sindicatos e direções de universidades em nível de indignação, como no Governo atual. Os esquerdista de Tangará da Serra não fizeram nenhuma manifestação. Eles estavam no poder. (Com conteúdo do UOL)

Imprimir




image
image
image
image


(65) 99978.4480

abroncapopular@gmail.com

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT