Quinta-feira, 13 de Junho de 2024

POLÍTICA Segunda-feira, 25 de Maio de 2020, 16:07 - A | A

Segunda-feira, 25 de Maio de 2020, 16h:07 - A | A

Barra do Garças

Beto Farias divulga fake news: COE não atestou seriedade dos trabalhos da saúde do município

Prefeito investe dinheiro público na defesa de cloroquina, cujos testes para covid-19 foram suspensos pela OMS

EDÉSIO ADORNO
Cuiabá

Na última terça-feira (19), a secretária de Saúde de Barra do Garças, Clênia Monteiro, declarou à imprensa que a decisão de distribuir kits covid “não foi inventada da cabeça”. Ela enfatizou que a medida foi tomada em consenso com o prefeito Beto Farias, após “a realização de um “estudo”.  

“Todos nós temos um protocolo. Isso não foi feito da minha cabeça, da cabeça do prefeito, foi feito de um estudo que nós precisávamos de uma medicação que o paciente pudesse tomar em casa naqueles casos mais leves. Nós conversamos com os médicos e eles explicaram a necessidade dos pacientes continuarem o tratamento”, justificou  

Quase uma semana depois, Clênia ainda não apresentou o “estudo” e nem revelou os nomes dos médicos, técnicos e especialistas que fizeram o dito “estudo” que recomenda o uso do coquetel de cloroquina, azitromicina e ivermectina para pacientes com sintomas leves da covid-19.  

Em vez de se apegar a ciência e as orientações de autorizados especialistas médicos que apontam a ineficácia da cloroquina no tratamento da covid-19 e ressaltam que a droga causa danosos efeitos colaterais, como arritmia cardíaca, a prefeitura prefere gastar o minguado dinheiro do contribuinte com campanha publicitária contra veículos de comunicação que questionam a decisão temerária da gestão Beto Farias. 

Leia mais:

Em afronta a comunidade cientifica e a OMS, Beto Farias fornece cloroquina para pacientes da covid-19

É verdade que A Bronca Popular questionou a distribuição de sacola de cloroquina, azitromicina e ivermectina pela prefeitura de Barra do Garças. Mas o questionamento deste site tem amparo na ciência, na orientação da comunidade médica e na recomendação de consagrados infectologistas.  

Segundo informa o G1, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou, nesta segunda-feira (25), que suspendeu temporariamente testes com a cloroquina e a hidroxicloroquina para tratar a Covid-19. A decisão foi tomada dentro dos ensaios Solidariedade, iniciativa internacional com 100 países coordenada pela OMS para buscar tratamentos contra a doença.  

Ainda de acordo com o portal de notícias da Globo, o diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a suspensão foi determinada depois de um estudo publicado na sexta-feira (22) na revista científica "The Lancet". A pesquisa, feita com 96 mil pessoas, apontou que não houve eficácia das substâncias contra a Covid-19 e detectou risco de arritmia cardíaca nos pacientes que as utilizaram.  

"Os autores reportaram que, entre pacientes com Covid-19 usando a droga, sozinha ou com um macrolídeo [classe de antibióticos da qual a azitromicina faz parte], estimaram uma maior taxa de mortalidade", afirmou Tedros.  

Opinião – no vídeo divulgado pela prefeitura para atacar este site é revelador: os comensais da prefeitura não gostaram das críticas lançadas contra o inepto e ineficaz gestor. A reação, como já era previsível, foi tentar chamuscar de fake news a matéria divulgada sobre o coquetel de cloroquina.

A repórter que presenta o vídeo diz que a Bronca Popular seria do Norte do Estado. Santa ignorância geográfica!

Tangará da Serra é a maior cidade do Sudoeste de Mato Grosso.

O médico Clodoaldo Piran afirmou a repórter Clênia Lima, do Barra do Garças em Ação, que “esse é um medicamento que já há muito tempo vem sendo usado em outras partes do mundo pra outros vírus, então por que de não utilizar? Desde que seja com orientação médica, respeitando os efeitos colaterais, respeitando as indicações e monitorando o paciente”.  

A resposta é simples, doutor Piran: porque não existe comprovação quanto a sua eficácia no tratamento da covid-19.  

Na sequência, a repórter se esforça para transmitir a veracidade que falta ao conjunto da obra: “a prefeitura de Barra do Garças vem cumprindo rigorosamente as orientações da Organização Mundial de Saúde”.  

Bem, se isso é verdade, então Beto Faria já deve ter ordenado que a secretária de Saúde Clênia Monteiro recolha imediatamente as sacolas de cloroquina, ivermectina e azitromicina que eventualmente tenham sido distribuídas.

A OMS acaba de comunicar a suspensão de testes com a cloroquina.

Clênia foi além do razoavel, segundo ela, "a seriedade com que os trabalhos estão sendo desenvolvidos foi confirmada pela equipe do Centro de Operações em Emergência em Saúde Pública (COE-MT). Isso é fake news oficial, custeada com o dinheiro do contribuinte. Não é atribuição do COE atestar ou deixar de atestar seriedade dos trabalhos desenvolvidos pelas Secretarias Municipais de Saúde.

Ademais, o técnico do COE, Ronei Damasceno em momento algum fez juiz de valor sobre as ações da saúde de Barra do Garças. O que nós temos de concreto é que a situação aqui em Barra do Garças é muito tranquilo, se tem aumento do numero de casos, como é aguardada para todos os municipios, mas sem ter a explosão de casos. O que acontece é que a Vigilância do Municipio, a Secretaria de Saúde está sobrecarregada com esse volume todo da expectativa que as pessoas tem de ouvir falar que o teste rápido deu positivo e acredita que basta dar positivo para acreditar que ele tem o vírus, o que não é verdade. O teste rápido não tem esse poder".

Assista o vídeo com mensagem fake news:

 

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT