Quarta-feira, 12 de Junho de 2024

POLÍTICA Quinta-feira, 06 de Fevereiro de 2020, 11:29 - A | A

Quinta-feira, 06 de Fevereiro de 2020, 11h:29 - A | A

RETALIAÇÃO

Terrorismo da educação: prefeito exonera coordenadores e diretora de escola por vingança política!

EDÉSIO ADORNO
Tangará da Serra

O prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira (MDB), reagiu com força a ação do Ministério Público e do judiciário que suspenderam a realização do processo seletivo e determinaram que o Edital do certame fosse adequado aos princípios constitucionais que regem a administração pública.  

Junqueira, como é de conhecimento geral, não admite ser contrariado nem pelos anjos celestiais. Quando isso acontece, sua reação é sempre maligna e desproporcional ao grau de insatisfação. Ele não gostou da atuação do promotor Thiago Scarpellini Vieira e muito menos da decisão judicial que anularam o Edital para o processo seletivo da educação.  

Sem forças para ir a desforra contra autoridades do Judiciário e do MPE, Junqueira voltou seu aparato bélico contra a parte mais frágil da relação: os professores. Com uma caneta perfuro cortante afiada pelo secretário de Educação, Gilmar Utzig, o chefe do Executivo cortou a cabeça de dois coordenadores pedagógicos e de uma diretora de escola.  

Em atrevida ofensa a soberania do voto da comunidade escolar, consagrado por lei, Junqueira exonerou os coordenadores pedagógicos Abner Alcântara dos Santos e Haroldo Miguel Ferreira Chaves. Maria José Batista Soares Martins foi arrancada da direção da escola Ayrton Senna.  

Sabe qual a justificativa, além de nenhuma, foi usada para exonerar os educadores? Nenhuma mesmo! Trata-se de pura, mera e simples retaliação política. Coisa inaceitável na condução da administração.  

Outros diretores e coordenadores estão na lista negra de Junqueira. Em breve serão limados dos cargos comissionados para os quais foram eleitos.  

Na manhã desta quinta-feira, a prefeitura emitiu uma notinha pífia à imprensa para nada dizer e suscitar dúvidas sobre o comportamento ético-profissional dos professores exonerados de suas funções.  

“Houve uma denúncia na Ouvidoria referente a um clima de conflito entre direção e coordenação e uma professora na referida instituição de ensino”, diz a nota, sem detalhar o que seria clima de ‘conflito’.  

Acrescenta o lacônico comunicado que “a situação era de absoluta falta de decoro na condução da relação funcional”.  

Decoro cuida de regra de conduta de convivência, remete a ética e se restringe ao campo da filosofia. Obviamente, que a falta de decoro na administração pública enseja reprimenda que vai da advertência a possível exoneração.  

A par dessa observação, uma pergunta precisa ser respondida: quem aferiu, constatou a falta de decoro na “relação funcional” entre os servidores exonerados e a suposta denunciante?  

Não há notícia da existência de sindicância, de procedimento administrativo disciplinar e nem de comunicado oficial a Semec de fatos desabonadores a conduta dos servidores defenestrados por Junqueira e Gilmar.  

A exoneração dos educadores não foi resultante de um processo administrativo. A nenhum dos demitidos foi assegurado o direito ao contraditório e ampla defesa. A exoneração foi sumária. Obviamente, que ao arrepio da lei.  

Ainda de acordo com a notinha pastosa da prefeitura, “os cargos de Diretor e Coordenador são COMISSIONADOS e as reclamações são muito fortes. Em função EXCLUSIVAMENTE dessa condição, optou-se pelas exonerações”.  

Sério que “as reclamações são muito fortes”, cara pálida?  

Agora, preste atenção na fragilidade da notinha da prefeitura. No primeiro parágrafo, a coisa diz que “houve uma denúncia na Ouvidoria”. Logo em seguida, talvez por falta de zelo com a semântica ou mero desconhecimento de léxico, a prefeitura que a casa para exoneração dos professores teriam sido “reclamações fortes”.  

Se reclamações fortes são o suficiente para exonerar detentores de cargos em comissão, porque motivo Wesley Lopes e tantos outros apêndices da prefeitura continuam dependurados em gordos holerites?  

Leia na íntegra a nota da prefeitura:

Quanto às exonerações, a Prefeitura de Tangará da Serra informa que houve uma denúncia na Ouvidoria referente a um clima de conflito entre direção e coordenação e uma professora na referida instituição de ensino. A situação era de absoluta falta de decoro na condução da relação funcional. Os cargos de Diretor e Coordenador são COMISSIONADOS e as reclamações são muito fortes. Em função EXCLUSIVAMENTE dessa condição, optou-se pelas exonerações. 

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT