Segunda-feira, 24 de Junho de 2024

COLUNISTAS Sábado, 18 de Abril de 2020, 23:59 - A | A

18 de Abril de 2020, 23h:59 - A | A

COLUNISTAS / edesio adorno

Nossa gratidão aos profissionais da saúde



edesio artigo.JPG

 

A medicina existe desde antes de Cristo. Hipócrates é considerado seu precursor.  São Lucas, o “médico amado”, nos dizeres do apostolo Paulo, é o santo padroeiro dos médicos. Esses profissionais são talhados para o exercício da nobre missão de cuidar da manutenção e restauração da saúde. Se preocupam com a prevenção e cura das doenças humanas, tendo sempre como escopo proporcionar o bem-estar físico, mental, psicológico e social do indivíduo.    

Se a profissão de médico antecede em mais de 400 anos o nascimento de Cristo, o leitor deve considerar despiciendo um artigo para falar... sobre médicos. É fato que os profissionais da saúde sempre existiram, sempre estiveram ao nosso lado como anjos da guarda, sempre fizeram parte de nossas vidas, sempre cuidaram de nossa saúde.    

Sempre estiveram presentes e sempre foram tratados como distantes, invisíveis. Nunca tivemos tempo para perceber, para sentir que dentro de cada jaleco branco, uniforme ou terno, pulsa um coração extraordinariamente humano de um médico, de um enfermeiro, de um técnico de enfermagem ou de qualquer outro profissional da área.  

Por falta de tempo ou por não saber nos posicionar no tempo, sempre fizemos questão de ignorar como vive o médico e os integrantes de sua equipe que atendem no postinho de saúde da periferia, na UPA de nossa cidade ou naquele hospital precarizados pela incúria dos capatazes de gestores público. Ah, também nunca tivemos a curiosidade de saber quantas mangas chupam as equipes de saúde que atendem nos hospitais de luxo dos grandes centros urbanos.  

É na guerra que se conhece o soldado valente. Foi preciso uma pandemia de coronavírus para a sociedade descobrir a importância da Organização Mundial de Saúde (OMS), do Ministério da Saúde, dos cientistas e pesquisadores da área da saúde. O tema entrou na pauta dos políticos e virou prioridade absoluta para o conjunto dos brasileiros.  

Essa mesma pandemia nos livrou da miopia social e escancarou diante a cada um e a todos nós uma realidade incontrastável: magistrados e favelados; ricos e pobres; humildes e soberbos; senhores e servos; patrões, empregados e agregados, todos estamos no mesmo barco e na dependência da atuação corajosa e heroica das equipes de saúde. Os médicos, antes invisíveis, se tonaram heróis e desse heroísmo coletivo depende nossas vidas.  

Guiados, orientados e assistidos pelos profissionais da área médica, vamos superar esse momento de grande estresse emocional e fazer a travessia desse rio que vai passar em nossas vidas. Chegaremos do outro lado mais maduros, preparados, conscientes e, quem sabe, mais solidários, tementes a Deus e mais humanos.

A adversidade também ensina. A gente aprende; precisamos aprender!  

Nem precisava de uma doença tão letal e ameaçadora como a covid-19 para realçar a importância e acentuar o valor dos profissionais da saúde. Afinal, são eles que acompanham o eclodir da vida intrauterina, assistem o nascimento e acompanham o crescimento de nossos filhos. São eles que zelam dos jovens e proporcionam uma velhice mais saudável aos nossos pais e avós.  

Já sabíamos ou deveríamos saber, que médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, socorristas, intensivistas, zeladores, camareiras, gesseiros e maqueiros trabalham de domingo a domingo, se revezam nos plantões, socorrem acidentados, resgatam doentes e feridos nas ruas ou em casa. Estão sempre presentes e dispostos a fazer o máximo e o melhor para atender o próximo.  

Antes da covid-19, já sabíamos que os profissionais da saúde representam a esperança de cura para as doenças do corpo e da alma. São heróis anônimos. As vezes são incompreendidos, até quando a grafia revela o cansaço de noites mal dormidas. Esses profissionais multidisciplinares fizeram de suas profissões um sacerdócio de fé e de amor ao próximo. Eles estão na linha frente do combate ao coronavírus e enfrentam os mesmos riscos que a população.  

Os profissionais da saúde não fazem milagres. Eles atuam no limite da ciência e o limite da ciência é o resultado de hipótese formulada, testada e comprovada. O milagre existe e para alcança-lo o procedimento é simples: basta se aproximar de Deus com fé, obediência e fervor. Os médicos, assim como todos os profissionais da saúde, são apenas anjos de Deus colocados na terra para cuidar de nossa saúde e nos proporcionar bem-estar social.

A esses profissionais, meu eterno reconhecimento e profunda gratidão!

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT