Domingo, 16 de Junho de 2024

POLÍTICA Segunda-feira, 22 de Junho de 2020, 11:27 - A | A

Segunda-feira, 22 de Junho de 2020, 11h:27 - A | A

BARRA DO GARÇAS

Indígenas denunciam descaso da prefeitura e pedem socorro ao MPF: ‘estamos morrendo pela covid-19’

"Estamos todos morrendo! Não queremos privilégios, queremos respeito”, alertam os indígenas sobre o avanço da covid-19 nos aldeias

EDÉSIO ADORNO
Cuiabá

Em um ofício encaminhado, nesta segunda-feira, ao Ministério Público Federal (MPF), lideranças da Terra Indigena São Marcos relatam o medo que sentem e os riscos de contágio com a covid-19 a suas comunidades estão expostas devido à falta de ação efetiva da prefeitura de Barra do Garças. O documento é assinado pelo cacique Vanderlei Barure Wadi Wadzereprowe, da Aldeia Nossa Senhora de Guadalupe TI e pelo Secretário Executivo da Federação dos Povos indígenas de Mato Grosso (FEPOIMT), Lucio Wa Ante Terowa.  

As lideranças indígenas cobram que medidas de combate ao novo coronavírus sejam adotadas em caráter de urgência por parte do poder municipal dentro das aldeias, afim de preservar a saúde e bem-estar do nosso povo.  

DSEI omisso  

No documento, que o site teve acesso, os indígenas denunciam que a coordenadora do Distrito Sanitário Especial Indígena Xavante DSEI Xavante não estaria tomando medidas para cessar o avanço da covid-19 nas aldeias, o que estaria “levando vários indígenas a internações e a óbitos”.  

Reforçam o pedido de providencias ao MPF, a informação de que a Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, Núcleo de Barra do Garças, já fez apelo nesse sentido, sem obter nenhuma resposta efetiva da prefeitura de Barra do Garças.  

Falta de orientação e de EPIs    

indio bg 3.jpg

 

Ainda de acordo com o ofício encaminhado ao MPF, estariam faltando equipamentos de proteção individual (EPIs) para os indígenas recolhidos na aldeia e para os profissionais de saúde indígena, em especial aos indígenas técnicos em enfermagem e agente de saúde indígena-AIS, que estão na linha de frente trabalhando diariamente para prevenir o contágio, propagação do vírus.

“Não é fornecido máscaras, álcool 70%, álcool em gel e orientação quanto as medidas de prevenção diante deste novo cenário em que estamos vivenciando”, alertam as lideranças.  

As lideranças que assinam o documento explicam que “a chegada do vírus na aldeia, se deve ao fato de que as pessoas responsáveis por zelar pela saúde dos indígenas não possuem sequer preparo, materiais adequados para trabalhar, tendo o efeito contrário ao esperado, o que acaba por levar o vírus para todos nós”, alertam  

Descaso da prefeitura De acordo com o documento, o antigo prédio do MedBarra teria sido disponibilizado a prefeitura para que fosse utilizado como hospital de campanha, sem custo algum, para tratar exclusivamente dos contaminados por covid-19. E mais: alegam que o Ministério da Saúde (MS) repassou recursos para a prefeitura de Barra do Garças investir no combate do coronavírus. “Nós indígenas não estamos enxergando investimentos voltados a proteção de nosso povo”, denunciam.  

Reivindicação  

“Pedimos que providências sejam tomadas, afim de que seja levado até nós materiais para que possamos nos proteger; que seja implantado um hospital de campanha voltado ao tratamento dos indígenas bem como haja um reforço da barreira sanitária na entrada da aldeia, incluindo equipamentos de proteção individual para as pessoas que se dispuserem a trabalhar na barreira sanitária, afim de evitar a livre circulação de pessoas, e que o pessoal autorizado tome os devidos cuidados para não levar o vírus para dentro da aldeia, e que seja dado um tratamento digno aos corpos dos nossos familiares vítimas da COVID-19”, reivindicam.  

Manifestação de indignação

indio bg.jpg

 

“Nós indígenas, apesar de nossa luta constante para sermos aceitos e respeitados como sujeitos de direitos pelos não-indígenas, as mortes de nosso povo por coronavírus sequer entra no boletim diário de contaminados e óbitos emitidos pela secretaria de saúde de Barra do Garças”, diz trecho do documento.

“Essa atitude é vista como uma forma de segregação e de omissão de informações a toda comunidade interessada, uma total falta de respeito para com o nosso povo! Não somos vistos como pessoa! Salve o nosso povo! Estamos todos morrendo! Não queremos privilégios, queremos respeito”, concluem o documento

Comente esta notícia

vanderlei 22/06/2020

Caros meus amigas (os), Nós povos originários xavantes A'uwe uptabi, precisa ser respeitado como cidadão, saúde é dever de todos, no entanto atendimento têm que ser de acordo a realidade e a vivência, estamos pedindo respeito..

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT