Segunda-feira, 24 de Junho de 2024

POLÍCIA Terça-feira, 22 de Dezembro de 2020, 11:05 - A | A

22 de Dezembro de 2020, 11h:05 - A | A

POLÍCIA / PRESENTE DE NATAL

Sakamoto manda soltar líder do CV que movimentou mais de R$ 52 milhões em um ano e meio

O sensível e humanitário desembargador se sensibilizou com a saúde debilitada do mega traficante, que também seria do grupo de risco da covid-19

Da Redação
Midia News



 Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça acatou habeas corpus e determinou a soltura de Ulisses Batista da Silva, o “Coroa”, acusado de ser líder financeiro da facção criminosa Comando Vermelho em Mato Grosso. 

Ele irá cumprir prisão domiciliar e usará tornozeleira eletrônica. 

Ulisses estava preso na Penitenciária Central do Estado (PCE) desde o dia 8 de agosto de 2018 em decorrência da Operação Red Monet, da Polícia Civil. 

A operação descobriu que Ulisses foi um dos responsáveis por movimentar cerca de R$ 52 milhões no período de um ano e meio. 

Segundo a Polícia Civil, dezenas de contas bancárias foram utilizadas para a movimentação. Geralmente, as contas eram pertencentes a familiares e pessoas próximas aos líderes do esquema. A esposa de Ulisses, por exemplo, recebeu em suas contas bancárias cerca de R$ 1,5 milhão, no período investigado.

No habeas corpus, a defesa alegou que Ulisses se enquadra no grupo de risco da Covid-19, por ser portador de hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus tipo II. 

Com base no laudo médico, o relator do habeas corpus, desembargador Pedro Sakamoto, afirmou que o quadro de saúde de Ulisses encontra-se “precária”, podendo inclusive, acarretar comprometimento sério e irreversível de parte da sua visão por conta da diabetes. 

“Desse modo, a manutenção do cárcere, nesse momento, não se apresenta recomendável, pois, além de o paciente ser mais suscetível de contrair a Covid-19, por se enquadrar no grupo de risco, seu atual quadro de saúde encontra-se precário, de modo que lhe foi recomendado, de maneira imprescindível, que seja urgentemente isolado em seu domicílio”, afirmou Sakamoto. 

"Impende consignar que não ignoro o fato de que as autoridades responsáveis estão conjugando esforços para prevenir o contágio do novo coronavírus dentro do ambiente prisional, todavia, penso que a dificuldade de higienização e deficiências estruturais, naturais das unidades prisionais, por ora, são prejudiciais à saúde do beneficiário”, acrescentou o desembargador. 

O voto de Sakamoto foi acompanhado pela unanimidade da Câmara que é formada por três desembargadores. 

A operação 

A primeira fase da operação foi deflagrada no dia 8 de agosto deste ano e a segunda, complementar à investigação, foi executada no dia 1º de outubro. 

Durante a investigação foram expedidos 110 mandados de prisão preventiva, sequestro de 23 imóveis, incluindo uma fazenda em Salto do Céu, apreensão de cerca de R$ 60 mil, em joias, bloqueio e sequestro de valores em contas bancárias, além de apreensão de dinheiro em espécie, atingindo a aproximadamente R$ 730 mil. 

Do patrimônio sequestrado e apreendido, estão à disposição da Justiça 21 automóveis, 18 motocicletas, cinco caminhões e um semi-reboque, além de seis empresas interditadas que tiveram sua atividade econômica suspensa.

Nota da Redação:

É compreensivel as razões humanitárias que motivaram o ilustre desembargador Pedro Sakamoto, do TJMT, a conceder a liberdade ao líder financeiro do Comando Vermelho. Independente do crime que tenha cometido, é direito do reeducando receber tratamento digno por parte do estado. Estranho é saber que ladrões de galinha, os chamdos deliquentes do baixo clero, muito deles com a saúde comprometida, vão passar o natal e ano novo atrás das grades. E, claro, expostos ao contágio da covid-19. Seria interessante que Sakamoto também garantisse a essas pobres criaturas o mesmo direito a liberdade. Infelizmente, não é isso que vai acontecer. 

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT