Quarta-feira, 17 de Julho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 29 de Junho de 2021, 23:06 - A | A

29 de Junho de 2021, 23h:06 - A | A

POLÍTICA / PROPINODUTO NO MINISTÉRIO DA SAÚDE

Propina de R$ 1 bilhão na compra de vacinas faz primeira vítima no governo Bolsonaro

No momento em que o Brasil sepulta quase 600 mil pessoas mortas pela covid-19, bandidos instalados no MS cobram propina bilionária para comprar vacinas

Edésio Adorno
Tangará da Serra



A Folha publica nesta terça uma entrevista com o empresário Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que se apresenta como representante da empresa Davati Medical Supply, e afirma ter recebido um pedido de propina para negociar vacinas com o Ministério da Saúde.

Segundo o empresário, o diretor de Logística da pasta, Roberto Dias, foi o intermediário do esquema que poderia render 1 dólar de propina em cada dose da vacina da AstraZeneca, negociada pela empresa.  

A cobrança de propina, segundo o jornal, ocorreu num jantar no restaurante Vasto, no Brasília Shopping, região central da capital federal, no dia 25 de fevereiro. “Eu falei que nós tínhamos a vacina, que a empresa era uma empresa forte, a Davati. E aí ele falou: ‘Olha, para trabalhar dentro do ministério, tem que compor com o grupo’. E eu falei: ‘Mas como compor com o grupo? Que composição que seria essa?'”, contou Dominguetti.  

Ainda segundo o jornal, Dias disse que a compra de vacinas não avançaria dentro do ministério se o empresário não compusesse com o grupo. “Existe um grupo que só trabalhava dentro do ministério, se a gente conseguisse algo a mais tinha que majorar o valor da vacina, que a vacina teria que ter um valor diferente do que a proposta que a gente estava propondo”, afirmou o representante da empresa.  

Dominguetti deu mais detalhes: ​”Aí eu falei que não tinha como, não fazia, mesmo porque a vacina vinha lá de fora e que eles não faziam, não operavam daquela forma. Ele me disse: ‘Pensa direitinho, se você quiser vender vacina no ministério tem que ser dessa forma”.  

A Folha perguntou qual seria essa “forma”. “Acrescentar 1 dólar”, respondeu. Segundo ele, 1 dólar por dose. “Dariam 200 milhões de doses de propina que eles queriam, com 1 bilhão de reais.”  

Por causa das revelações, a pasta de Marcelo Queiroga anunciou há pouco a exoneração de Dias do cargo de diretor de Logística da pasta. “O ato sairá na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (30). A decisão foi tomada na manhã desta terça-feira (29)”, diz o ministério.  

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT