Quinta-feira, 13 de Junho de 2024

COLUNISTAS Terça-feira, 07 de Julho de 2020, 16:36 - A | A

Terça-feira, 07 de Julho de 2020, 16h:36 - A | A

José Marcos Lapenda

Testou Positivo

É uma expressão esquisita. Ela nomeia candidatos ao sofrimento provocado por moléstia cruel que resolveu habitar os espaços ocupados pelos humanos.  

A Covid 19 avassala o mundo, na proporção exata da pandemia de 1918. Cento e dois anos se passaram e a experiência do passado parece não ter contaminado os céticos, fetichistas, curandeiros e curiosos.

As baforadas de pajés primitivos foram encaradas como sintoma de que onde tem fumaça, tem cura. Assim, a civilização recuou no tempo e muitos humanos embarcaram na abóbora mágica oferecida por líderes políticos, para uma viagem sem volta.  

O dizer que o Rei nunca erra, sumiu do mapa da cartografia medieval. E é bom não aceitar conselhos para sorver chás, cheirar fumaças, mergulhar em cloroquinas, perseguir helmintos e tentar bombardear protozoários.  

O Presidente do Brasil está doente, acamado. Todos os seus eleitores, fanáticos admiradores e complacentes democráticos torcem em vigília cívica pela sua imediata recuperação. A ética se abraça a universalidade de sentimentos civilizados, para rejeitar quaisquer manifestações de tipo grosseiras e fora das linhas do respeito e solidariedade.  

As lições sobre a vida e a morte não devem ser menosprezadas. Não existe topete eterno, muito menos irascíveis que não se arrependem.

José Marcos Lapenda é jornalista, escritor, cronista, literato e analistas político. Atuou no jornalismo de Mato Grosso por vários anos. Atualmente mora em Recife/PE

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT