Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 27 de Abril de 2021, 19:14 - A | A

27 de Abril de 2021, 19h:14 - A | A

POLÍTICA / TRATAMENTO PRECOCE

Grupo de médicos que pretendia distribuir ivermectina à granel é investigado pelo MP

Larissa Ricce / Leandro Couri
Estado de Minas Gerais



Um grupo de médicos e profissionais de saúde de Sete Lagoas, na Região Central do estado, está sendo investigado por pretender realizar um plano de distribuição em massa de ivermectina para a população carente, mesmo com o remédio não tendo comprovação científica contra a COVID-19.  

Nesta terça-feira (27/4), a 7ª Promotoria de Justiça de Sete Lagoas informou que instaurou um procedimento que tem o objetivo de apurar a suspeita. Na sexta-feira (23/4), o Estado de Minas entrou em contato com um dos médicos do grupo e a reportagem foi informada que o plano foi suspenso. "Não iremos mais fazer a projeto de tratamento imediato", disse. No mesmo dia, a prefeitura da cidade confirmou a existência do projeto, mas garante que trata-se de uma "ação de livre iniciativa de seus participantes". 

O EM apurou que a execução do projeto ainda não havia começado. Mas o grupo se reunia em um espaço na Rua Major Castanheira, em Sete Lagoas. O espaço pertence ao proprietário da Faculdade Sete Lagoas (Facsete), Ivan Andrade.

A reportagem entrou em contato com ele, que confirmou que uma sala havia sido cedida, mas negou fazer parte do projeto. 

O secretário municipal de Saúde de Sete Lagoas, Flávio Pimenta, esclareceu que se trata de uma ação de livre iniciativa de seus participantes e que participou de uma reunião virtual com alguns integrantes do grupo apenas como convidado, para que fosse dada ciência ao secretário da iniciativa.

O secretário solicitou ainda que os pacientes tenham acompanhamento médico e, conforme solicitação do grupo, prometeu avaliar apoio ao atendimento quanto ao fornecimento de EPIs e suporte para as ações.

"Cabe ressaltar que o posicionamento da Secretaria Municipal de Saúde segue o mesmo: cabe a cada médico prescrever o que melhor lhe convém, dentro de seu conhecimento e da situação de cada paciente", informou o órgão, por meio de nota.

Pelo WhatsApp

Entre os moradores da cidade, circulava uma mensagem sobre o projeto por meio das redes sociais. “Estamos montando um núcleo de atendimento imediato de COVID, para atender as pessoas carentes que quiserem e, assim, ajudar a diminuir contaminação", informava a mensagem. O plano contava com o cadastro de voluntários para a distribuição.  

"À princípio será feita a profilaxia, que será doada, dose para dois meses. E assim, evitar que as pessoas se contaminem e se, por ventura se contaminarem, serão atendidas gratuitamente pelos médicos voluntários", acrescentou a mensagem. Seriam necessários 20.000 comprimidos de ivermectina.

Um empresário teria conseguiu em um laboratório pelo o preço de R$0,70 cada comprimido. "Você poderá nos ajudar com 2.000 comprimidos? Estamos correndo contra o tempo para começarmos o mais rápido possível", disse a mensagem. Um dos médicos teria sugeriu que a abordagem "seja apenas na prevenção". "Apenas distribuir a ivermectina para 2 meses, às pessoas acima de 30 anos e não vacinadas", informou.

Na mensagem, ainda constava que a divulgação do projeto seria feito pelas mídias sociais e, para agendamento, apenas por meio do WhatsApp.

O texto avisava também que todos que receberiam a ivermectina seriam cadastrados.

 O Estado de Minas tomou conhecimento sobre as mensagens na semana passada e, ao conversar com um dos idealizadores, ele informou que o projeto havia sido suspendido sem qualquer previsão para a realização.

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT