Sexta-feira, 21 de Junho de 2024

POLÍTICA Sábado, 30 de Maio de 2020, 18:09 - A | A

30 de Maio de 2020, 18h:09 - A | A

POLÍTICA / TANGARÁ DA SERRA

Homem com covid-19 ficou sob monitoramento telefônico e em menos de uma semana voltou a trabalhar

EDÉSIO ADORNO
Tangará da Serra



Uma informação preocupante chegou a redação do site a Bronca Popular. À partir dela, com suporte nas informações divulgadas pelo Ministério da Saúde (MS) sobre a ação do coronavírus, é possível problematizar o avanço da covid-19 em Tangará da Serra.  

A doença – o coronavírus é uma doença causada por um vírus que ataca o sistema respiratório das pessoas. De acordo com as informações do Ministério da Saúde, o período de incubação é o tempo que leva para os primeiros sintomas aparecerem desde a infecção por coronavírus, que pode ser de 2 a 14 dias, informa o Portal do MS.  

“Então, é preciso ficar atento porque uma pessoa doente normalmente não apresenta os sintomas antes desse período”, explica a médica pneumologista da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), Patrícia Canto Ribeiro.  

“A gente calcula em 14 dias, o que a gente chama desse período de incubação do vírus. Então, se uma pessoa entrar em contato com o vírus, hoje, por exemplo, até daqui a 14 dias ela pode ou desenvolver a doença ou mesmo desenvolver anticorpos”.  

O fato – um motorista de aplicativo, que apresentou os sintomas da covid-19, deu entrada no Hospital Municipal de Tangará da Serra e foi testado positivo para a doença causada pelo novo coronavírus. Como o quadro clinico geral do trabalhador não era grave, ele foi mandado de volta pra casa, onde deveria ficar em isolamento.  

Segundo relatos de uma pessoa próxima ao motorista, ele permaneceu poucos dias de quarentena. Voltou a trabalhar e a circular pela cidade. O monitoramento a que era submetido pela Secretaria de Saúde foi realizado apenas via ligação telefônica ou mensagens de Whatsapp.  

A família – a irmã e uma sobrinha que convivem no mesmo lar que o motorista apresentaram sintomas semelhantes ao da covid-19. “Passaram muito mal, foram ao Hospital Municipal e lá receberam o diagnóstico de que estavam com dengue”, diz a fonte, que pediu para não ter seu nome revelado. Essas duas mulheres também não foram monitoradas e nem cumpriram as regras de isolamento social.  

Recomendação médica – o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) alerta que é na segunda semana da infecção que existe o maior perigo de transmissão. A recomendação da CDC, porém, é que pessoas que tenham contraído o vírus limitem suas interações e fiquem em casa de quarentena por pelo menos 10 dias após a febre ter sumido completamente - período em que todos os sintomas de COVID-19 terão desaparecido completamente e a possibilidade de transmissão também.  

Informação oficial - o prefeito Fábio Junqueira publicou em sua página no Facebook, neste sábado (30), que 110 casos de covid-19 já foram confirmados em Tangará da Serra. 53 pessoas infectadas pelo vírus estão em isolamento domiciliar.  Saber quem monitora e como monitora esse universo de 53 pacientes é fundamental para evitar que alguns deles quebrem as regras do isolamento social e ajudem a disseminar o vírus pela cidade. O caso do motorista de aplicativo, que deveria ser investigado, não pode se repetir.  

Nota: o motorista de aplicativo e as duas mulheres que com ele convivem já estão plenamente curados, inclusive uma terceira pessoa da família, que mora fora de Tangará da Serra e alega não ter sido infectada pela covid-19.

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT