Sexta-feira, 21 de Junho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 20 de Outubro de 2020, 16:47 - A | A

20 de Outubro de 2020, 16h:47 - A | A

POLÍTICA / CAMPO NOVO DO PARECIS

MPE pede condenação de Machado a perda de função pública e a suspenção de direitos políticos por improbidade

Prefeito é acusado pelo Ministério Público de utilizar a estrutura da prefeitura em promoção pessoal com vistas à reeleição

Edésio Adorno
Tangará da Serra



Uma penca de ilicitos reiterados contra a administração pública, apurada por meio de Inquérito Civil, motivou o representante do Ministério Público Estaddual (MPE) a ajuizar ação de improbidade administrativa contra o prefeito de Campo Novo do Parecis, Rafael Machado (PSL), que estaria se valendo do cargo, da caneta, de servidores e de recursos públicos da municipalidade para potencializar sua candidatura a reeleição.  

Informações contidas no Inquérito Civil Público nº 01/2020, instaurado pela 1a Promotoria de Justiça Civil de Campo Novo do Parecis corroboram denuncia de que Machado estaria se utilizando dos serviços e da estrutura da administrapao pública municipal em beneffcio préprio, promovendo-se as custas da máquina administrativa, em total afronta aos principios da impessoalidade, moralidade e do interesse público.  

De acordo com odocumento ministerial, os fatos ocorreram de forma reiterada entre julho de 2018 a janeiro de 2020. Nesse período, segundo narra o Promotor de Justiça, Rafael Machado utilizou o site e a pagina oficial da prefeitura no Facebook para, em várias publicidades dos atos, programas, obras e serviços da municipalidade fazer constar seu nome e sua imagem, visando sua promoção pessoal.  

ABUSO DE AUTORIDADE  

Em sua petição, o representante do orgão minsiterial afirma que Rafael Machado é publicitário e que, abusando da autoridade do cargo de prefeito, realizou verdadeira “campanha publicitária” para mostrar à população camponovense (potenciais eleitores) uma imagem de “excelente administrador público”.

Para tanto, ainda segundo o MPE, utilizou-se dos serviços e da estrutura da administração pública municipal em beneffcio préprio, promovendo-se as custas da máquina administrativa.  

GAROTO PROPAGANDA

De acordo com o MPE, foi apurado que Machado tornou-se o “apresentador” de várias peças publicitárias dos atos, programas, obras e servços da prefeitura, materializadas em muitos vídeos que foram publicados na pagina oficial da prefeitura no Facebook. “Sendo tais vídeos visualizados e compartilhados de forma exaustiva pelas pessoas”, diz o documento do orgão ministerial.  

“Para tanto, o réu (Rafael) utilizou-se dos servi§os e da estrutura da administra sao pública, mobilizando os servidores do departamento de Comunicação da prefeitura para que gravassem, criassem e editassem muitos vídeos, sendo que, em vários, o réu é o “apresentador” dos atos, programas, obras e serviços daprefeitura, com a clara intenção de vincular sua pessoa as obras e serviços prestados pelo municipio”, diz outro trecho da petição do Promotor de Justiça.  

Ainda de acordo com a narrativa do MPE, foram realizados eventos oficiais pela prefeitura, dentre eles, Natal de Luz, Dia das Crian§as, Aniversârio do Município, Desfile Cívico de 7 de Setembro, Corrida de Motocross, e Corrida do Parecis. Nesses eventos, sustenta o Promotor de Justiça, foram utilizadas verbas pública e/ou servidores pdblicos para sua realização, sendo que de tais eventos tirou proveito pessoal o réu Rafael Machado, em clara afronta ao artigo 37, § 1°, da Constitui§âo Federal.  

Para comprovar de forma cabal e irrefutável o cabimento e a procedencia da ação de improbidade, o Promotor de Justiça anexou a sua petição um vasto acervo probatório. Fotos e vídeos reduzida a ata notarial revelam o menoscabo de Rafael Machado para com os principios constitucionais que moldam a administração pública. Os documentos carreados para o processo revelam com clareza que Machado fez uso descarado da máquina pública para sua promoção pessoal e assim se perpetuar no cargo.      

“Há trâs sentidos embutidos no principio da impessoalidade. O primeiro é o de que os atos sao sempre imputáveis ao orgão ou entidade administrativa; jamais ao funcionârio. 0 segundo é o de que a Administração não pode atuar em detrimento ou para prejudicar pessoas determinadas. Terceiro significado é o de não utilizar a máquina administrativa, suas obras ou serviços para promover os agentes pdblicos”, ensina o Promotor de Justiça.  

Ainda segundo o MPE, a Ata Notarial lavrada no Tabelionato Guedes comprova a promoção pessoal efetuada pelo réu Machado as custas do Poder Público, com evidente vioIação aos princípios da impessoalidade e da moralidade.  

Por fim, o representante do orgão ministerial pede a justiça que a ação por improbidade seja julgada procedente para condenar o prefeito Rafael Machado a perda da função pública, a suspensão dos direitos políticos, ao pagamento de multa e ao ressarcimento dos danos causados ao erário público.

VEJA NO MOSAICO ALGUMAS DAS IMAGENS QUE SUSTENTAM A DEMANDA DO MPE

image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT