Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 07 de Abril de 2021, 18:45 - A | A

07 de Abril de 2021, 18h:45 - A | A

POLÍTICA / POLITICAGEM

Fabão faz politicagem e ignora fato grave: negligência de empresa de SP que cuida de UTIs coloca vidas em risco

Edésio Adorno
Tangará da Serra



O presidente da Câmara de Tangará da Serra, vereador Fábio Brito, o Fabão (PSDB), se posicionou no Facebook contra o lockdown. Bravo, bravíssimo! Pena que não seja o pretenso candidato a deputado estadual o único a defender o funcionamento normal do comércio. 10 entre 10 tangaraenses apoiam o combate a covid-19 aliado a preservação da atividade econômica e de postos de trabalho.  

Fabão, portanto, é apenas um caroneiro oportunista da causa. Sua atuação estampa víeis de caráter político-eleitoral. Suposição? Não. Os fatos comprovam que o vereador tucano não tem compromisso com a saúde pública e sequer sabe ou finge não saber o que acontece na área.  

Na manhã desta quarta-feira, Fabão fez questão de pontuar que é contra o decreto do Governo de MT, que estabeleceu medidas mais rígidas de combate a covid-19 em todo o território mato-grossense.

- Sou contra essa medida do governador que teve um ano para investir maciçamente na saúde pública com a criação de mais leitos de UTIs, hospitais de campanha, equipar hospitais municipais e regionais, além de uma fiscalização mais rígida, e pouco foi feito com os recursos que foram enviados pelo Governo Federal e agora pune sociedade e empresas com restrições –, escreveu o tucano  

Como lorota pouca é lucro, Fabão mandou uma pérola: “lembrando que o Decreto do Governo Estadual é IMPOSITIVO” (grifo dele), como se existisse decreto não impositivo. Atenção, vereadores! Decretos assinados pelo presidente Brito não são impositivos e sim facultativos, de cumprimento não obrigatório.

Buscar meios, alternativas para enfrentar a covid-19, sem causar danos a economia é uma atitude saudável e meritória. Quanto a isso, o consenso é geral, amplo, irrestrito e total. O problema, no entanto, é que Fabão tenta terceirizar os equívocos da atual gestão, faz vistas grossas para as decisões erráticas que o ex-prefeito Fábio Junqueira (MDB) tomou com relação a saúde pública e, de quebra, se exime de responsabilidade enquanto fiscal bem remunerado dos atos da administração pública municipal.

Um escândalo acontece no Hospital Municipal sem que o chefe do legislativo, Fábio Brito, tome a menor atitude.  

A empresa Medicar Emergências Médicas Campinas Ltda, contratada, que foi contratada pela prefeitura, em novembro de 2020, pelo valor de R$ 5.231.305,32, para gerir a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e leitos clínicos de enfermaria covid-19, nas dependências do Hospital Municipal Arlete Daysi Cichetti Brito, já foi denunciada junto ao MPE pelo fiscal do contrato. (AQUI)

A Medicar presta um serviço de péssima qualidade, não dispõe de profissionais com especialização, não tem responsável técnico e um único médico chega a tirar plantão durante 20 dias seguidos. Além, é claro, que cometer outros absurdos e expor, por negligência, a vida de pacientes covid-19 a risco permanente.

Fabão ainda não determinou rigorosa investigação sobre a forma relapsa e negligente de atuação dessa empresa (Medicar Emergências Médicas Campinas Ltda) e pelo visto jamais vai se importar com isso. Ou vai?

Movido por um discurso fácil, embora sem nexo com a verdade, Fabão escreveu no Facebook que “o governador teve um ano para investir maciçamente na saúde pública com a criação de mais leitos de UTIs, hospitais de campanha, equipar hospitais municipais e regionais”.  

A verdade é que o ministério da Saúde, ainda sob o comando do general Pazuello, editou a Portaria Nº 1.236, de 18 de maio de 2020, para habilitar 8 leitos de UTI de Tangará da Serra. Ato contínuo, liberou em parcela única o valor R$ 1.872.000,00. Sem os leitos devidamente equipados e com medo da Polícia Federal, o então prefeito Junqueira devolveu a grana e assumiu o custeio das UTIs com recurso próprio.  (AQUI)

O governador Mauro Mendes insistiu com Fábio para ativar os leitos de UTI, os quais seriam custeados pelo Governo de MT, desde que colocados a disposição da regulação estadual. Junqueira não aceitou a proposta. Ele defendia que os leitos fossem de uso exclusivo para moradores de Tangará da Serra.

A mesma proposta de custeio dos leitos de UTIs foi feita ao prefeito Vander Masson. Ele também recusou, não aceitou, porque assim como Junqueira, Masson não gostaria que esses leitos covid-19 fossem disponibilizados para todo o estado.

Agora, vem Fabão a dizer que o governo não investiu em saúde pública. Pura balela.

Ainda ontem, o secretário e Saúde, Gilberto Figueiredo mandou um aviso aos prefeitos: “não mande ofício, abram UTIs e mande a conta que o governo paga”. Em entrevista à radio Serra FM, Vander mudou de ideia e assumiu que pretende abrir 20 leitos de UTI, que serão custeados pelo Governo de MT, até que sejam credenciados junto ao Ministério da Saúde (MS). 

Comente esta notícia

Pq será 08/04/2021

É impressão minha ou esse site tá pegando no pé do fabao? Têm angu nesse caroço , já é a segunda matéria q leio desse jeito

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT