Segunda-feira, 15 de Julho de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 19 de Março de 2021, 10:22 - A | A

19 de Março de 2021, 10h:22 - A | A

POLÍTICA / PERDEU NAS URNAS E NA JUSTIÇA

Juiz Hartmann julga improcedente ação contra Falcão e Gordo Salim sofre 2º derrota em Santo Afonso

Edésio Adorno



Não admitir o resultado das urnas e buscar atalhos para chegar ao poder é prática comum dos expoentes da velha política. Gordo Salim, que foi derrotado na disputa pela prefeitura de Santo Afonso, no pleito do ano passado, não engoliu o resultado desfavorável, recorreu à justiça eleitoral na esperança de puxar o tapete do prefeito Fernando Falcão (DEM) e levar no tapetão a cadeira do chefe do executivo.  

Salim ajuizou uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) contra Fernando Falcão. Na peça de acusação, Salim não juntou nenhuma prova, se limitou a narrar fatos imaginários ou fabricados por cérebros férteis que integram sua patota de conselheiros políticos.

Na análise da demanda proposta pela coligação de Gordo Salim, o juiz da 17º Zona Eleitoral de Arenapolis, Diego Hartmann, reproduziu trecho da frágil argumentação lançada na peça acusatória.  

“Aduz a coligação requerente, em síntese, que os requeridos, Luis Fernando Ferreira Falcão e Adelvane Coelho da Rocha, candidatos respectivamente ao cargo de prefeito e de vice-prefeito nas eleições de 2020, utilizaram meios ilícitos para captar sufrágio”, escreveu Hartmann.  

Prossegue, o magistrado, destacando que Salim asseverou que Falcão teria se valido do expediente de compra de votos, transporte ilegal de eleitores, compra de votos por troca de favores.    

Pretendia Salim a decretação de inelegibilidade, cassação dos diplomas, aplicação da multa prevista no art. 41-A da Lei 9504/97, bem como quebra do sigilo bancário e telefônico do prefeito Fernando Falcão e de seu vice Adelvane Coelho da Rocha.

Concluída a analise dos elementos apresentados, o juiz Diego Hartmann sentenciou:

“Desta feita, durante a instrução processual não se logrou comprovar a ocorrência de qualquer ato que tenha gravidade suficientemente capaz de ensejar a cassação dos diplomas e implicar inelegibilidade dos referidos candidatos, nos exatos termos do parecer ministerial”.  

FALCÃO 4.JPG

Decisão da justiça comprova lisura de Fernando Falcão no processo eleitoral

Por se tratar de denuncia infundada, sem lastro em qualquer elemento de prova e com fundamento no parecer do MPE, que opinou pela improcedência da ação, o magistrado rechaçou o pedido de Gordo Salim.  

“Diante todo o exposto, ante a ausência de qualquer elemento de prova que demonstre a veracidade dos fatos narrados na inicial, JULGO IMPROCEDENTE a presente Ação de Investigação Judicial Eleitoral”, concluiu o togado.

Atribuir aos outros aquilo que se faz também não é novidade. Em 2012, Gordo Salim foi acusado pelo MPE de fazer uso político da máquina pública, comprar votos, fraudar o processo eleitoral, entre outras irregularidades.

Se alguém tinha alguma dúvida, a sentença do juiz Hartamnn deixa claro que Fernando Falcão realizou uma campanha modesta e dentro dos limites impostos pela justiça eleitoral. 

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT