Sexta-feira, 21 de Junho de 2024

POLÍTICA Quinta-feira, 01 de Outubro de 2020, 05:16 - A | A

01 de Outubro de 2020, 05h:16 - A | A

POLÍTICA / BARRADO PELA LEI DA FICHA LIMPA

MPE pede impugnação de registro de candidatura de Jonas Canarinho

Prefeito teve o mandato cassado pelo legislativo municipal e ainda assim se lançou candidato a reeleição

Edésio Adorno
Tangará da Serra



Em post do dia 13 de setembro, este site alertou: “PSL lança a ‘reeleição’ prefeito que teve mandato cassado e direitos políticos suspensos por 8 anos”. Agora, o Promotor Eleitoral Aldo Kawamura Almeida joga uma pá de cal nas pretensões políticas do gestor que teve o mandato cassado pelo legislativo municipal. Almeida pediu ao juiz da 11º Zona Eleitoral que seja indeferido em definitivo o requerimento de registro de candidatura de Jonas Canarinho (PSL) a prefeito de Aripuanã por ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa.

Na ação de impugnação do registro da candidatura de Canarinho, o membro do MPE destaca que o prefeito cassado encontra-se com restrição ao seu direito de elegibilidade, porquanto se enquadra na hipótese prevista no art. 1º, I, c, da LC nº 64/1990, com redação dada pela LC nº 135/2010, também conhecida como Lei da Ficha Limpa.  

Kawamura lembra que, segundo preceitua a Lei da Ficha Limpa, são inelegíveis o governador e o vice-governador de Estado e do Distrito Federal e o prefeito e o vice-prefeito que perderem seus cargos eletivos por infringência a dispositivo da Constituição Estadual, da Lei Orgânica do Distrito Federal ou da Lei Orgânica do Município, para as eleições que se realizarem durante o período remanescente e nos 8 (oito) anos subsequentes ao término do mandato para o qual tenham sido eleitos.  

“No caso em tela, o requerido teve o seu mandato de prefeito cassado por infringência a dispositivo da Lei Orgânica do Município de Aripuanã”, diz o documento ministerial.    

O Promotor Eleitoral observa ainda que sendo inegável que Canarinho violou a Lei Orgânica do Município de Aripuanã, eis que a conduta incorreu nas ilegalidades descritas no Decreto-Lei n. 201/67, incidindo, assim, a inelegibilidade da Lei da Ficha Limpa.

Ausência de documentos necessários  

Ainda como fundamento ao pedido de impugnação da candidatura de Canarinho, o representante do MPE argumentou que o pedido de registro de candidatura não foi acompanhado dos documentos necessários para provar que ele esteja em exercício regular de seus direitos políticos.  

“Por essa razão também deve ser indeferido o registro de candidatura do requerido Jonas Canarinho”, diz a parte final da Ação de Impugnação assinada pelo Promotor Eleitoral Aldo Kawamura Almeida.  

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT