Quinta-feira, 13 de Junho de 2024

POLÍTICA Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2020, 19:31 - A | A

Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2020, 19h:31 - A | A

DECISÃO IMORAL

PGR recorre contra decisão de Nunes Marques que afrouxa Lei da Ficha Limpa

Edésio Adorno
Tangará da Serra

Não ganhou o devido destaque da imprensa e nem das redes sociais o golpe desferido pelo noviço ministro do STF, Nunes Marques, contra dispositivo da lei da Ficha Limpa. Um dia antes do recesso judiciário, o togado atendeu pedido do PDT em ação de inconstitucionalidade em suprimiu trecho da chamada Lei da Ficha Limpa.  

Ainda assim, juristas, ativistas sociais e integrantes de movimentos de combate a corrupção rechaçaram a presepada de Nunes. Como consequência da reação popular, a Procuradoria-Geral da República (PGR) recorreu, nesta segunda-feira (21/12), da decisão estapafúrdia do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Nunes Marques.  

A Lei Complementar nº 135, de 2010, determina o prazo de oito anos “após o cumprimento da pena” de inelegibilidade para condenados por órgãos colegiados. Nunes Marques, no entanto, retirou a expressão do texto.  

De acordo com o entendimento do magistrado, o prazo de inelegibilidade terminará oito anos depois da condenação por órgão colegiado, mesmo que a pena não tenha sido cumprida.  

O recurso contra a decisão de Marques é assinado pelo vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, e deverá ser analisado pelo presidente do STF, ministro Luiz Fux, uma vez que a Suprema Corte entrou em recesso.  

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT