Domingo, 16 de Junho de 2024

POLÍTICA Sábado, 08 de Agosto de 2020, 19:29 - A | A

Sábado, 08 de Agosto de 2020, 19h:29 - A | A

Juro do cartão e cheque

Rei do porco atira em Fávaro e acerta Guedes e Bezerra: “defensores de grandes banqueiros’; veja vídeo

Pré-candidato ao senado se posiciona contra líder de Bolsonaro no Senado e defende projeto de Álvaro Dias que limita juros de cartão e cheque

EDÉSIO ADORNO
Tangará da Serra

O plenário do Senado aprovou, por 56 votos a 14, o texto-base do projeto que estabelece um teto para as taxas de juros cobradas em operações com cartões de crédito e cheque especial, de autoria do senador Álvaro Dias (Podemos-PR).  

O líder do governo do senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), seguindo orientação do ministro Paulo Guedes (Economia) tentou impedir a aprovação da medida, mas não conseguiu convencer seus pares.   O presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) considera o projeto aprovado pelo senado inconstitucional e promete engaveta-lo. Caso não consiga e seja aprovado pelos deputados, a equipe econômica do governo já adiantou que vai orientar o presidente Jair Bolsonaro para vetá-lo integralmente.

A Agência Senado, Bezerra declarou: "esta é uma matéria típica da insegurança jurídica. A presente proposição é um instrumento inconstitucional para tratar essa matéria. Não é por projeto de lei. Esta matéria tem de ser tratada, como já definiu o Supremo Tribunal Federal, por lei complementar. Nós vamos fixar por lei os juros de um produto financeiro e vamos terminar por elevar os juros de outros produtos”.

Fernando-Bezerra-533x300.jpg

 

Prossegue o líder do governo: “o resultado tende a ser uma piora na disponibilização dessa modalidade de crédito. A instituição financeira tenderá a não conceder crédito sob determinado risco. Isso vai representar uma restrição na recuperação da atividade econômica do varejo brasileiro".

Rei do porco e sua incoerência

Em um vídeo gravado, neste sábado, diante a uma agência do Banco do Brasil de Matupá, o empresário e pré-candidato ao senado, Reinaldo Morais (PSC), conhecido como Rei do Porco, defendeu o projeto de Dias, que garante a redução de juros do cartão e cheque durante a pandemia do novo coronavírus.  

Em sua fala, o suinocultor desanca, sem citar nome, o senador interino Carlos Fávaro (PSD), que votou pela rejeição do projeto. “Essa semana teve a votação lá no senado para redução da taxa de juros durante esse período de pandemia, durante esse ano de 2020, para reduzir o juro do cheque especial, para reduzir os juros do cartão de crédito”.  

Emenda Morais:  

Senador Favaro.jpg

 

“Sabe você, que passou dificuldade, que teve seu emprego dizimado, você que teve seu comércio fechado, que precisava de uma mão, que precisava de uma ajuda? Então: os senadores fizeram um projeto de lei para reduzir os juros e você acredita que aqui no Mato Grosso teve senador que votou contra a redução da taxa de juros?”  

Conclui o pré-candidato ao senado:  

“A quem que nós estamos apoiando? A quem que nós estamos defendendo? É a população do Mato Grosso, é o pequeno comerciante, é aquele que está necessitado, que precisa, né, de um aporte financeiro pra poder manter seus negócios ou é (sic) os grandes banqueiros? Pense nisso”.  

De acordo com a fala do rei do porco, caso seja eleito senador, ele não será totalmente leal ao presidente Jair Bolsonaro e nem sempre seguirá a orientação do líder do governo.

Carlos Fávaro está sendo malhado por votar contra um projeto de apelo social, mas o voto dele revela afinamento com o Planalto e obediência a recomendação da liderança do governo no senado.

Ruim de pontaria e mal assessorado, Morais atirou em Carlos Favaro e acertou em Guedes e no líder do governo no senado, que foram, indiretamente acusados de defensores de grande banqueiros. 

Com esse discurso contra o governo, será que o rei do porco ainda pode ter o apoio de Bolsonaro na disputa ao senado?

Assista o vídeo:

 

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT