Sexta-feira, 21 de Junho de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 10 de Abril de 2020, 13:28 - A | A

10 de Abril de 2020, 13h:28 - A | A

POLÍTICA / Gilberto Cattani

Bolsonarista defende candidatura avulsa e promete ir à Justiça para deixar PSL

Marcos Figueiró
Especial para a bronca popular



Primeiro suplente de deputado estadual pelo PSL, o pequeno produtor rural Gilberto Cattani disse essa semana que vai ir à Justiça para conseguir autorização para deixar o partido. A promessa está em vídeo compartilhado por seus apoiadores nas redes sociais. Mesmo sendo apoiador da criação do Aliança Pelo Brasil, Cattani disse defender a possibilidade de candidaturas avulsas (candidaturas de pessoas não filiadas a qualquer agremiação política), ideia que, segundo ele, também teria apoio do presidente Jair Bolsonaro e do vice-presidente Antonio Mourão.  

“O sistema político do nosso país é uma verdadeira cachorrada, uma verdadeira vergonha. Eu sou a favor de um dia a política existir candidatura avulsa pra que todo brasileiro tenha direito e liberdade de se candidatar e ser livre realmente, defender seus valores, suas idéias e não defender partido. Esses camaradas aqui [Bolsonaro e Mourão] têm essa idéia, eu tenho certeza. Por isso estão tentando criar um partido novo, chamado Aliança Pelo Brasil”, disse.  

O problema dentro do PSL começou, segundo Gilberto Cattanni, em fevereiro deste ano, quando recebeu convites para integrar algumas chapas para a eleição suplementar ao Senado. “Eu fui impedido pelo partido. E no partido onde eu estou amarrado, não estou porque quero, aonde estou amarrado também fui convidado, mas quando cheguei lá a primeira exigência que fizeram pra mim é a seguinte ‘Você pode vir pra chapa, mas não pode falar em Aliança Pelo Brasil, você não pode mais defender aquilo que o Bolsonaro está criando’. Obviamente estão contra o Bolsonaro”, reclama Cattani.

Segundo ele, desde então sua vontade é de deixar o partido – o que só não foi feito porque a desfiliação injustificada poderia resultar em perda da primeira suplência, conquistada após ter recebido nas urnas em 2018 mais de 11 mil votos. No entanto, para conseguir deixar o PSL, Cattani pretende agora acionar o Poder Judiciário. Entre os argumentos a ser apresentado na ação está a campanha de difamação promovida por integrantes do PSL contra sua pessoa.  

“Devido a minha suplência eu fiquei preso ao partido, mesmo o partido, as pessoas do partido fazendo vídeos apócrifos de mim, denegrindo a minha imagem, me humilhando. Espalhando fakenews a meu respeito nas redes sociais, ameaçando a minha pessoa, minha família e meu patrimônio, dizendo em retomada de lotes do assentamento de onde eu moro. Dentro do partido! E quando eu denunciei, me tornei um mentiroso. (...) Vou ajuizar a minha situação, podem ter certeza disso. Vou ajuizar, fazer mandado de segurança porque eu posso ter o direito de ser quem eu sou e de lutar pelo que eu acredito. Vocês não precisam me engolir e eu, muito menos, a vocês”, explica ele.  

PSL REVELADO

Gilberto Cattani lembra que assim que viu como era o PSL, o presidente Jair Bolsonaro saiu do partido, assim como também o fez a senadora Selma Arruda. Ambos, em cargos majoritários que permitem a mudança de partido. Chamando os integrantes do PSL de crápulas, ele reafirma seu apoio ao presidente.

“Aqui é homem de uma só palavra. Não retrocederei e não me dobrarei a vocês, seus crápulas. Disso vocês podem estar certos. Nunca me dobrarei a pessoas sem índole como são vocês que estão aí dominando esse partidinho”.

Assista o vídeo:

 

Comente esta notícia

(65) 99978.4480

[email protected]

Tangará da Serra - Tangará da Serra/MT